Kerouac Vs O agora

Vivo em mim a todo o instante passando pela relação ora ordinária, ora caótica da minha própria existência e co-existência nesse mundo que gira e nessa vida no chão regado de asfalto. Escrever seria como patinar com segurança num gelo fino, tocar um instrumento com a leveza de um sentimento, bater ao pano da esperança de se sobressair à própria miséria e à habilidade de se fazer miseráveis. Não existe um dia em que não sinto necessidade de mandar à vala uma quantidade enorme de julgamentos. A todo momento penso e em seguida, vem um valor, um juízo, uma sentença, um ponto de vista ou até mesmo uma “visão das coisas” invadindo o meu universo intimista e me faz ficar literalmente agarrado tentando sair dessa embaraçosa coisa que é dar conceitos e ter certeza racional para todas as coisas que podem existir no aqui e no agora. Por isso, escrever deveria ser como um jazz, não uma ciência, uma razão, uma peça da vaidade. Tathāgata! Tathāgata! Tathāgata!

Continuar lendo “Kerouac Vs O agora”

Anúncios

Kerouac vs o Fim

Daqui sete dias chego ao ponto em que já me sinto honrado de ter alcançado nesta vida. Não preciso mais do que 33 anos. Sei que deixo obra ainda fragmentada, incipiente e que valeu muito mais de aprendizado para mim mesmo do que para os outros. Ao meu ver, uma falha do bodhisattva. Espero que aqueles que correram comigo possam dizer aos que ficam e para aqueles que a memória não consegue recordar, que meu sopro para essa morada foi uma ideia de como as coisas poderiam ser pensadas. Não acredito na miséria humana nem que somos marujos de primeira viagem. Essa vida é quase uma piada. Levá-la como sempre se levou, é uma forma de ruína.

Continuar lendo “Kerouac vs o Fim”

Kerouac vs o Meio

Tenho certa dificuldade com a mecânica da escrita à máquina. Gosto mais de estar livre com o carbono de um lápis, não só pelo meu tempo, mas também pelos meus garranchos e desenhos que saem de palavras e letras que se formam a partir de desenhos. Mas se escolhi escrever a vida, não tenho como fugir dessa interrupção de papéis. Trocando o usado, não velho, o que ainda virá a ser, mesmo que já tenha sido, pelo novo, em branco, aquilo que ainda não foi e logo se tornará, também, algo usado com alguma coisa que virá a ser. Continuar lendo “Kerouac vs o Meio”

Kerouac Vs Ananda

Claro, sempre me interessei pelos tortos. Não só porque gosto do cheiro de espontaneidade, muito menos pela selvageria dos argumentos fantásticos. Mas porque sendo atípicos, suas ações sempre são respeitadas como a de um. O homem são não deve sair desse caminho, pois para o povo, um furo praticado pelo que é padrão, estremece as bases da conduta guiada pelo fora -“fora de si”, a maioria das pessoas é conduzida na vida pelas ideias que existem, que falam pra ela que exalam feito perfume de cinema. Esquecem de produzir a própria vida, ideia, criação e muitas vezes julga e vê naqueles que riscam com sangue e paixão a trilha do independente, como indignos da própria convivência e se tanto, com escárnio, punição, rancor. Continuar lendo “Kerouac Vs Ananda”

Kerouac Vs o Karma

Uma vez sonhei com uma chuva que nunca parava. De tanta água caindo sobre a América, me restava apenas ir para o telhado de nosso apartamento em Ozone Park, Nova York. Porém, meu corpo abatido pelo abuso, pesava sobre a cama e sobre meu sonho. Fiquei com tanta preguiça que esperei ela chegar na beira da janela. Joguei-me pelo sofá e sai nadando por Manhattan. Continuar lendo “Kerouac Vs o Karma”

Kerouac Vs Watts

Estávamos de mudança. Deus havia nos permitido encontrar um novo caminho para a nossa vida. Meu pai, combalido e num estágio avançado da doença, conseguiu um empréstimo com um parente e esperávamos o caminhão Ford de Ned Sander parar na frente da nossa casa. Íamos saindo de Lowell, deixando para trás cerca de mais de duzentos anos de história. Entretanto, a pobreza corrói o espírito e transforma o corpo em um lar de desespero. O homem falido deixa os hábitos e a sujeira ocupa suas feições. A barba cresce, os olhos passam a procurar o vazio, a coluna arria. Era outubro e o outono abriu meu coração, jorrando lágrimas de palavras sobre a tábua da vida. Continuar lendo “Kerouac Vs Watts”