Kerouac Vs Coltrane

Acabo de chegar em casa e estou levemente entorpecido pelo paraíso. Nova York vive um verão intenso, tudo é suor e loucura, as mulheres, os bêbados e os poetas se confraternizam pela madrugada alucinada da grande maçã, dançando o beebop, escutando os anjos entortarem a realidade em suas harpas de sopro. Minhas mãos não compreendem adequadamente os pensamentos que emergem do vale sombrio, eles escapam e voltam e dizem ao meu ouvido como se não fossem meus e, por isso, sinto-me tímido e não me importo em desenhar suas letras mortas no papel deste diário desgastado e febril.

Mas o paraíso não é marrom, nem branco ou colorido. É abstrato, efêmero e forte. Contempla a paisagem do meu espírito como se viesse do próprio atman. Laurien dorme chapada ao meu lado e o sol insiste em querer acabar com este dia que nunca deve deixar de existir. Enquanto houver saliva em minha alma irei lembrar de quando vi as trombetas celestiais entoando cânticos em favor da humanidade, em favor dos loucos que vivem fora dos hospícios oficiais e convivem com a insanidade da sociedade perfeitamente imperfeita que pintam todos os dias na TV e nos jornais, principalmente, nos jornais. Sendo mais objetivo, antes mesmo que eu me perca em devaneios, hoje, por sorte, apertei a mão de um iluminado e minha alma se tornou completa.

Laurien andava meio encucada estes dias, imagino que esteja insegura quanto a minha proposta de firmar a vida depois do Livro ser publicado – a previsão é que no máximo no outono ele já esteja nas livrarias e agora mesmo, daqui uma semana saia o prelo. Não quero ser mais um perdido apenas, quero poder sentir cócegas nos pés e respirar um saboroso café da manhã preparado por alguém que tenha dormido ao meu lado a noite inteira. Se não me ater aos motivos deste depoimento, irei esquecê-lo por completo quando acordar e meus olhos insistem em me trair. Para poder cortejá-la de uma maneira mais nobre e poética, vesti minha melhor camisa de botões e a convidei para um jantar romântico no antro da burguesia – Coach House. Gastei várias saídas em menos de 2 horas de uma vida que, no fundo ou no raso, não penso em ter. Foi bom, mas Laurien não me disse nada. Fomos embora pela Times Square felizes e vagabundeando sobre o mundo e as coisas que poderíamos fazer quando fosse um escritor de sucesso. De repente, enquanto falávamos sobre nomes eslavos para os nossos possíveis filhos, escuto meu sobrenome ser gritado no meio do trânsito leve do início da madrugada. “Hey K, venha conosco, Monk irá começar agora o show no Five Spot”. Eram Allen, Corso e mais um sujeito que provavelmente estava se metendo com eles.

Não pensamos muito e entramos logo no Buick 49. Sempre enchia muito o saco de todos dizendo que Thelonious  é o maior, o mais sincero e sensível de toda essa geração de deuses do jazz. Todavia não esperava chegar à conclusão nesta noite de que Monk não passa de um súdito na hierarquia musico-celestial. Um negrinho de olhos esbugalhados e cheio de raça comandava a adaga divina que amordaçou por mais de duas horas o meu enfermo e carente coração indisciplinado. Coltrane, John Coltrane este é o seu nome. Sei que já havia ouvido falar dele como integrante de alguns outros projetos, porém foi difícil acreditar que a perfeição não está no centro, mas ao lado. O som que enobrece seu sax tenor é destemperado e perfeito, breca, mas ainda assim emite melodias, é o paraíso que qualquer droga não pode me dar. Imagino que ele nunca irá lembrar do branquelo que fez questão de compará-lo a um deus egípcio, que insistiu em apertar sua mão divina. Estava em êxtase o sujeito, olhava nos meus olhos, mas enxergava de fato os próprios pensamentos e sensações – uma dádiva que tento alcançar, porém os demônios do meu karma impedem que o nirvana chegue nestas bandas. Ao menos me alegro e tento me animar para o resto com esta dose de harmonia e perfeição. Não vejo a hora de procurá-lo nas lojas de vinil. Peço a Deus e a Morpheus que me embale em sonhos suaves e contínuos, em imagens alucinadas e descontínuas da perfeição.

Bom dia, paraíso!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s