Kerouac  Vs McCarth

Ok. Não gosto muito de comunistas. O que me intriga nesse tipo de pessoa é que são os mais crentes no homem, têm mais fé do que qualquer fiel e ainda assim conservam no discurso e na atuação a busca de uma salvação pelo literal, pelo o que os olhos enxergam e a mente pensa. Já perderam o sentido de comunidade que tem no nome e na herança primitiva. Repartir, compartilhar e desapego é tão complexo que fazer isso num discurso não impede do puto agir de forma contrária. Diz que não liga, mas é agarrado no dinheiro, diz que tá nem aí e tá aí pra caralho.

Continuar lendo “Kerouac  Vs McCarth”

Kerouac Vs O agora

Vivo em mim a todo o instante passando pela relação ora ordinária, ora caótica da minha própria existência e co-existência nesse mundo que gira e nessa vida no chão regado de asfalto. Escrever seria como patinar com segurança num gelo fino, tocar um instrumento com a leveza de um sentimento, bater ao pano da esperança de se sobressair à própria miséria e à habilidade de se fazer miseráveis. Não existe um dia em que não sinto necessidade de mandar à vala uma quantidade enorme de julgamentos. A todo momento penso e em seguida, vem um valor, um juízo, uma sentença, um ponto de vista ou até mesmo uma “visão das coisas” invadindo o meu universo intimista e me faz ficar literalmente agarrado tentando sair dessa embaraçosa coisa que é dar conceitos e ter certeza racional para todas as coisas que podem existir no aqui e no agora. Por isso, escrever deveria ser como um jazz, não uma ciência, uma razão, uma peça da vaidade. Tathāgata! Tathāgata! Tathāgata!

Continuar lendo “Kerouac Vs O agora”

Kerouac Vs O Jazz

Tu-de-dum-pak-tu-de-dum-pam- tum-tum-pra-ca-tum – as noites começam de dia. Há todo um ar que envolve o espírito compulsivo a já acordar sabendo como irá deitar. Mesmo que não tivesse lido em um jornal ou passado em frente ao Village, sabia bem o que iria encontrar aos sábados naquele pequeno pedaço do paraíso financiado pelo demônio. A calma do ambiente em uma frase de sax traz uma impressão cinematográfica do que poderá acontecer: sonhos lúcidos, mulheres incríveis e seus corpos da perfeição, uma conversa beatífica com um negro do subúrbio mais sábio do que qualquer um de vocês. Alguma coisa acontece com meu centro gravitacional e os membros do meu corpo que quando escuto os acordes eles ao mesmo tempo comandam partes oblíquas do boneco que me leva, bem como sobem e descem uma sensação infantil de que a vida se resume ao ritmo, ao som e ao que o olho pode ver, mesmo que permaneça a maior parte do tempo fechado.

Continuar lendo “Kerouac Vs O Jazz”

Kerouac vs o Fim

Daqui sete dias chego ao ponto em que já me sinto honrado de ter alcançado nesta vida. Não preciso mais do que 33 anos. Sei que deixo obra ainda fragmentada, incipiente e que valeu muito mais de aprendizado para mim mesmo do que para os outros. Ao meu ver, uma falha do bodhisattva. Espero que aqueles que correram comigo possam dizer aos que ficam e para aqueles que a memória não consegue recordar, que meu sopro para essa morada foi uma ideia de como as coisas poderiam ser pensadas. Não acredito na miséria humana nem que somos marujos de primeira viagem. Essa vida é quase uma piada. Levá-la como sempre se levou, é uma forma de ruína.

Continuar lendo “Kerouac vs o Fim”

Kerouac Vs a Criança

O homem pode esconder do mundo qualquer coisa que se vista – palavras, roupas, discursos, medalhas… mas há nele algo que não tem como fantasiar, mesmo que as memórias lhe sejam favoráveis ou senão falsas, fabricadas dentro de uma lógica. A própria consciência é inegável. Sim, e isso é claro, por mais tenebroso que possa parecer aos olhos dos outros. Hoje, tenho 45 anos e sou um homem triste, solitário e muito amargo. Esse foi o meu caminho e sei que quando estou aqui, diante do papel e da estrada, nada me faltou, nem mesmo minha consciência, minha culpa e minha dor. Só agora percebo que sim, o fundamental ficou abaixo do que pude enxergar.

Continuar lendo “Kerouac Vs a Criança”

Kerouac Vs o Seu Cadáver

Existem dias que são quentes. O ânimo parece maior e mesmo que haja frio lá fora, seu espírito está disposto a enfrentar qualquer situação escrota que impeça o menos bravo de se divertir. Entretanto, há dias que são mais gelados e mesmo ao sol, nada consegue fazer com que a alma se levante e adore a vida. Há décadas – sim, possuo décadas de pensamento sobre meus próprios pensamentos, anos em que cotidianamente e enfadonhamente, analiso minhas ações, sentimentos e construções mentais. Desde cedo essa máquina começou a operar em mim e nunca consegui fugir muito de sua perseguição. Sei que isso também sempre esteve corrompido pelo amor cristão que desde cedo me foi fundido: “a culpa é sempre sua John. Continuar lendo “Kerouac Vs o Seu Cadáver”

Kerouac Vs O Amadurecimento

O mais interessante dessa vida é poder olhar para atrás e ver como as coisas já não são mais as mesmas. Não é aquela balela simples de falar sobre como que a vida muda, como as pessoas se transformam ou como as coisas eram diferentes quando você tinha vinte e poucos anos. Falo mesmo é de como o meu arranjamento para a própria existência deixou de seguir um ideal que em outro tempo parecia ser a única estrada a perseguir. Não nego esses sentimentos que habitavam em meu espírito no passado – a sensação quente de poder querer compartilhar a vida com qualquer coisa, lugar ou pessoa e dali tirar um proveito momentâneo ou duradouro. Só que no agora, essa operação já não tem mais que ser resolvida. Não cheguei a uma conclusão sobre aquele período, mas acho que, na verdade, o resultado não importa ou pelo menos, nunca se revelará como se espera. Continuar lendo “Kerouac Vs O Amadurecimento”

Kerouac Vs Saturno

Quando comecei a ter ideias próprias, não necessariamente significou ter ideias originais nem mesmo, inovadoras. Passei por algumas fases de pensamento e postura que, mesmo que se enquadrem dentro da lógica capitalista, ocidental, branca, cristã e machista, nunca deixaram de questionar a isso mesmo. Não gosto de ser produto do meio que habito e isso me machuca cotidianamente. Assim, escolhi desde cedo remar contra a maré, mas tomando fôlego na margem do meio. Não consegui sempre, de fato. Representei o papel fenomenológico de uma homem ocidental, mas de alguma forma isso também serviu de aprendizado e não pode ser nem julgado nem condenado, ainda mais por quem possa admitir que nunca, em hipótese alguma, foi contaminado pelo contraditório. Continuar lendo “Kerouac Vs Saturno”

Kerouac VS a Modernidade

Existem momentos na vida em que qualquer vagabundo ou sábio entende que é preciso sair fora. Inclusive da estrada. Havia em mim uma dor que não compartilhava com os executivos de uma empresa, nem com o operário que acorda aborrecido, mas ri no refeitório satisfeito com a ração que pensa que é de graça, mas é paga com o seu suor diário. Muito menos a dona de casa infeliz que espera o marido chegar bêbado de mais de um dia de trânsito e pressão. Só mesmo aqueles que vivem se arrastando pelo asfalto e os ascetas entendem que essa vida de pó preto, sirenes e gente ao redor é algo ilusório, maya. Continuar lendo “Kerouac VS a Modernidade”

Kerouac vs Madalena

Não havia mais muitos motivos para permanecer. Pelo menos naquele momento. Embriagava-me de forma dolorosa com a dura rotina da vida urbana. Pensava em corpos sem qualquer sinal de alma pirando pelas ruas em suas guias de sistema. Sempre haveria uma esquina e nela, sempre haveria alguém indeciso entre atravessar, ir para a esquerda, ir para a direita ou simplesmente dar meia-volta e retornar para seu caminho inicial. Continuar lendo “Kerouac vs Madalena”

Kerouac vs o Meio

Tenho certa dificuldade com a mecânica da escrita à máquina. Gosto mais de estar livre com o carbono de um lápis, não só pelo meu tempo, mas também pelos meus garranchos e desenhos que saem de palavras e letras que se formam a partir de desenhos. Mas se escolhi escrever a vida, não tenho como fugir dessa interrupção de papéis. Trocando o usado, não velho, o que ainda virá a ser, mesmo que já tenha sido, pelo novo, em branco, aquilo que ainda não foi e logo se tornará, também, algo usado com alguma coisa que virá a ser. Continuar lendo “Kerouac vs o Meio”

Kerouac Vs Ananda

Claro, sempre me interessei pelos tortos. Não só porque gosto do cheiro de espontaneidade, muito menos pela selvageria dos argumentos fantásticos. Mas porque sendo atípicos, suas ações sempre são respeitadas como a de um. O homem são não deve sair desse caminho, pois para o povo, um furo praticado pelo que é padrão, estremece as bases da conduta guiada pelo fora -“fora de si”, a maioria das pessoas é conduzida na vida pelas ideias que existem, que falam pra ela que exalam feito perfume de cinema. Esquecem de produzir a própria vida, ideia, criação e muitas vezes julga e vê naqueles que riscam com sangue e paixão a trilha do independente, como indignos da própria convivência e se tanto, com escárnio, punição, rancor. Continuar lendo “Kerouac Vs Ananda”

Kerouac Vs Linda

Que porra é “hoje”?! Sei que habito um lugar gravado com a inscrição exata de um tempo, mas tão pouco sei onde me encontro nesse exato momento. Decidi pelas estradas porque percebi que a vida parada, onde (não) me encontrava, come minhas entranhas com vigor e sem perdão. Hoje, não desejo mais “isso”, porém quero aquilo que hoje, não será possível. Essa é minha luta, esse é meu desafio: entender que no hoje, qualquer palavra é vã, qualquer argumento não se coloca simplesmente porque passa e passa mesmo, passa diante dos meus olhos e dos olhos dos outros e tudo se torna poeira. As estradas estão cheias e eu estou vazio. Continuar lendo “Kerouac Vs Linda”

Kerouac Vs Mr. President

Acho muito estranho quando a gente passa do limite de solitário vagabundo para alvo de um brilho frouxo para os jornais e a TV e, necessariamente, para aqueles que seguem cegamente esses tipos de gurus. Sinto-me sendo sugado cotidianamente por câmeras e lápis e blocos rabiscados. Minha alma sai de mim e vai direto para a confusão que esses caras fazem a respeito do que escrevi ou falei. É difícil ter em uma resposta, ainda mais uma que seja exatamente como aquela que se encaixa naquilo que esses ursos que controlam tipos e botões querem que você diga. Porra, se já têm resposta, por que tantas perguntas tolas? Continuar lendo “Kerouac Vs Mr. President”

Kerouac vs a Loucura

Hoje, deixo o sanatório. Não aceitaram meu pedido de loucura. Hahaha! Nos últimos dois anos aconteceram tantas mini-histórias que até um velho marujo mentiroso ficaria envergonhado de contar. Tudo começou ainda em Lowell. Lá passa um rio que levou minha alma junto. Sempre pensei em sair do quintal de uma das casas beira-rio e de lá ir para o mundo. Quando era menor, fui o mentor de uma das nossas tentativas de escapar.  Já estávamos cruzando o condado quando o pai do Harry apareceu com as nossos irmãos menores e gente da cidade. Sempre soube que queria viajar pelo mundo sobre o mar. Porquê a vida é o mar! Continuar lendo “Kerouac vs a Loucura”

Kerouac vs a Honra

Seus olhos nunca são os mesmos. A cada dia, a cada despertar, um novo mundo se projeta biologicamente dentro de você e aquilo que enxerga, por mais que seu cérebro de TV, viciado, ache que é o mesmo, que o sorriso e a decepção têm os mesmos tons, não têm. Há uma história de que a angústia viaja amarrada nas costas do viajante. Não adianta sair de um lugar se o que lhe ferra tá dentro e te acompanha até a porta do inferno. Ou seja, por um lado temos um despertar completamente novo todos os dias e, por outro, temos as coisas dentro de nós permanecendo, independente da coordenada em que seu corpo estiver habitando. Assim, somos novos corpos em almas velhas, vagabundas, repetitivas, geralmente, estagnadas. Continuar lendo “Kerouac vs a Honra”

Kerouac Vs o Casamento

Quando tudo deu errado e era fato que viraria comida de minhoca debaixo da terra, uma luz bem lá no finalzinho do túnel resolveu aparecer pra mim. Antes de morrer jovem e senil, entregue a uma cela úmida e tifo, preferiria entrever-me com um outro alguém, mesmo que isso levasse em conta a obrigação e o acúmulo de carma. Por um tempo, justamente por estar necessitado de um manche na vida, pensei que a liberdade era o casamento. Amar e ser amado, não se preocupar muito com o que acontece lá fora e ter um cobertor de orelha todas as noites frias do inverno. Continuar lendo “Kerouac Vs o Casamento”

Kerouac Vs U.S. ARMY

Mais uma vez me encontro inerte. Queria muito poder trazer das vísceras uma história, visão ou qualquer coisa que pudesse cuspir meu espírito. Ando muito atento, produzindo pensamentos e falando muito. Porém, o grande Babuíno não me visita a não ser que seja em metalinguagem, somente nesta hora, quando estou, justamente, reclamando a mim mesmo a falta de inspiração para juntar letras e depois, espalhar palavras. Continuar lendo “Kerouac Vs U.S. ARMY”

Kerouac Vs Lennon

Em 62, fazia uma viagem pela Europa, mais especificamente por Hamburgo, na Alemanha Ocidental. Numa noite “daquelas”, encontrei um sujeito que iria se tornar muito famoso pouco tempo depois. Ele tinha uma dessas bandas que perverteram o bebop. Só guitarra, só guitarra. Apesar dessa tristeza, minha dor podia reconhecer que aquele mundo infeliz dos anos 60 precisava mesmo daquele tipo de imbecilidade estridente. Tomamos nossas coisas e ficamos alto. Disse a ele que todo mundo que fizesse sucesso nestes anos de transformação iria perecer, que tudo acabaria num piscar de olhos. Continuar lendo “Kerouac Vs Lennon”

Kerouac Vs Espinoza

Na mais louca de todas as cidades, encontrei meu esplendor. Minha inquietude se inicia quando me pedem para escrever seu nome em um papel. Digo a eles que a grande cidade são todas, são todas as coordenadas que meus pés e meu espírito habitam no aqui-agora. Lowell, Frisco, NY, LA, Mex. City e centenas de milhas de asfalto e poeira compõem a imensa e inigualável vila que percorro abundantemente há anos. Continuar lendo “Kerouac Vs Espinoza”

Kerouac Vs Duluoz

Recebo um telefonema de Raphaello Scoth, meu contato no NYTimes. “J. o Gary entrou de férias, cara. Seu livro já era meu camarada. Estou envergonhado, envergonhado… Maldito Gary. Ele tinha me confirmado, na próxima sexta, na próxima sexta“! Filho da puta bastardo, penso. Diga a ele que quando eu for lido por metade da América, sua crítica já não vai adiantar nada. Desliguei o telefone bastante puto. Maria estava com o cigarro em mãos, encostada na cama e me olhando. Continuar lendo “Kerouac Vs Duluoz”

Kerouac Vs Rothko

Nos anos 50 o mundo estava mudando e nem todo mundo sabia disso. Era o jazz explodindo em novas formações, o consumo se tornando lei, a TV e tudo mais transformando a vidinha fácil do interior em uma rotina de trabalho e fumaça. Os carros ficavam cada vez mais barulhentos e as garotas cada vez mais espertas e, por isso, faziam as coisas alucinarem na frente de qualquer um. Ser reconhecido se tornou condição para se existir na América e eu queria muito ser alguém. Lutei contra as minhas angústias depressivas e passei um bom tempo batendo com a cara na parede. Continuar lendo “Kerouac Vs Rothko”

Kerouac vs Moriarty

Depois de tudo o que tinha acontecido com Phillip, fiquei um pouco atordoado. Não quis nem saber de Janie ou de ninguém. Voltei para aquela maldita agência e esperei um navio que me levasse o mais longe possível. Queria sair da minha vida mais uma vez. Mas dessa vez com força e solitário. Sou um peregrino em busca de luz, persigo seu rastro cego. Entretanto, havia uma coisa que estava me incomodando muito. Continuar lendo “Kerouac vs Moriarty”

Kerouac Vs o Existencialismo

Ver a vida passar diante do nariz. É isso que a maioria das pessoas costumam fazer em seus cotidianos lentos e melancólicos. No inverno, os rostos e as felicidades são diminuídas pelas necessidade de se ver constantemente e além disso, sempre abrigados em algum lugar que não seja lá fora. Meu Deus!!! A cada segundo eu me imagino terrivelmente longe de qualquer pessoa e no momento seguinte, uma dor silenciosa e cheia de vazios me faz temer a solidão. Olho para o caminho e não vejo absolutamente nada. Há uma luminosidade opaca que impede qualquer coerência em termos de forma ou expressão. Sinto-me obrigado a dar passos a diante, como se estivesse impelido por uma força que vai além da minha própria vontade. É uma espécie de caos que me abraça e roça a noite fria em minhas orelhas. Porém meu pé soluça pela estrada sem muito vigor ou coragem para reagir aos obstáculos. Continuar lendo “Kerouac Vs o Existencialismo”

Kerouac Vs o Karma

Uma vez sonhei com uma chuva que nunca parava. De tanta água caindo sobre a América, me restava apenas ir para o telhado de nosso apartamento em Ozone Park, Nova York. Porém, meu corpo abatido pelo abuso, pesava sobre a cama e sobre meu sonho. Fiquei com tanta preguiça que esperei ela chegar na beira da janela. Joguei-me pelo sofá e sai nadando por Manhattan. Continuar lendo “Kerouac Vs o Karma”

O Uivo – Allen Ginsberg

Eu vi os expoentes da minha geração destruídos pela loucura, morrendo de fome, histéricos, nus,arrastando-se pelas ruas do bairro negro de madrugada em busca uma dose violenta de qualquer coisa “hipsters” com cabeça de anjo ansiando pelo antigo contato celestial com o dínamo estrelado da maquinaria da noite, que pobres, esfarrapados e olheiras fundas, viajaram fumando sentados na sobrenatural escuridão dos miseráveis apartamentos sem água quente, flutuando sobre os tetos das cidades contemplando jazz, que desnudaram seus Cérebros ao céu sob o Elevados e viram anjos maometanos cambaleando iluminados nos telhados das casas de cômodos, que passaram por universidades com olhos frios e radiantes alucinando Arkansas e tragédias à luz de William Blake entre os estudiosos da guerra, que foram expulsos das universidades por serem loucos & publicarem odes obscenas nas janelas do crânio, que se refugiaram em quartos de paredes de pintura descascada em roupa de baixo queimando seu dinheiro em cestas de papel, escutando o Terror através da parede. Continuar lendo “O Uivo – Allen Ginsberg”

Kerouac Vs Thoreau

O texto que segue é uma ferrovia. Tentei não subestimar Saturno, mas uni ao menos cinco temporadas da minha vida, mas não de forma CRONOlógica. Comecei o redemoinho caótico quando lia “Walden” e frequentava o colegial em Lowell . Eu e meu saudoso Sampas discutíamos Thoreau no caminho de volta para casa. Por vezes, próximo ao lixão, criávamos pensamento de futuro inspirados no coração forjado de auto-suficiência e sabedoria. Já em Columbia, pensamentos soltos e uma noite inspirada me garantiram 15 anos sem tocar no assunto. Dez anos mais tarde de novo e, agora, em meio a toda essa revolução da “liberdade”, escrevo aqui. Porém, ao invés de um texto subjetivo e cheio de conceitos filosóficos, preferi sustentar minha tese de que a sociedade e o homem não são compatíveis (até esse momento), criando um personagem que sou eu e é vários. A liberdade é criativa e reativa! Continuar lendo “Kerouac Vs Thoreau”

Kerouac vs o Passado

A gente acha que conhece uma mulher pelas palavras que ela diz, pelos olhos que brilham quando você sorri e pelos sussurros na trepada. Mas tudo isso não passa de uma impressão machista e ocidental. Não sei, mas tenho a ideia de que reparam as coisas com um outro olhar, de um outro lugar. A maioria do que achamos ser o que dá tesão, talvez seja detalhe que acrescenta e não necessariamente, decida uma escolha. Continuar lendo “Kerouac vs o Passado”

Kerouac Vs Camille

Uma imensa dor corrói o meu espírito há cinco longos dias. Ela simplesmente deixou a casa e partiu. Não disse nada, nem antes nem depois. Bateu a porta forte o suficiente para que entendesse que não devia gritar por ela na janela. Torci meu estômago e meu coração alcançou a goela. O ar me escapa aos poucos e fere o pulmão. A mente não consegue se desviar senão pelo seu corpo imaginário e seu sorriso ébrio. Pensei em me enforcar, achei exagerado. Pensei em auto-flagelação, logo logo me arrependeria, nenhuma das duas dores passaria na velocidade de um avião. Estou entregue ao mundo, meus olhos caíram, minha boca murchou, meu pau é uma meia velha, vazia e abandonada. Continuar lendo “Kerouac Vs Camille”

Kerouac Vs Van Gogh

Tive mais um daqueles sonhos loucos. Entrei em uma dimensão psíquica que nunca havia experimentado ou pelo menos, há muito não chegava perto. O dia não tinha sido lá muito produtivo, estava por conta apenas de curtir o frio do outono em Ozone Park. Tentei escrever alguma coisa, li umas duas ou três linhas de Proust e nenhuma ideal genial veio até mim. A única diferença para o resto dos outros dias foi que a monotonia me fez ir para a cama mais cedo. Continuar lendo “Kerouac Vs Van Gogh”

Kerouac Vs Corso

Dezembro tomava Ozone Park melancolicamente. As árvores já apresentavam a habitual solidão esbranquiçada, seca e gelada do bairro de operários. As pessoas já não se cumprimentavam, afinal o inverno estava tão rigoroso e o vento tão impertinente que era preciso vestir seis, sete peças grossas de roupa para não preferir estar morto e enterrado. No caminho de volta ao meu apartamento, passando em frente ao All´s, vi acompanhado de uma garrafa de vodka, Gregory Corso. O homem sujo dos Bálcãs tinha uma cara um pouco desgostosa e num piscar de olhos, em uma abertura dada pelo meu olhar, ele começou seu discurso infinito sobre a liberdade humana: Continuar lendo “Kerouac Vs Corso”

Kerouac Vs Monroe

Durante a guerra, muitas esposas ficaram expostas aos garanhões alheios. Na Califórnia, centenas de comunidades tinham na força feminina a principal potência de trabalho. Neal não tinha muito critério para escolher suas vítimas, era um verdadeiro safado que adorava se lambuzar com louras, pretas, branquelas e tudo mais que aparecesse na frente do seu tesão. Todavia a maior de todas, ou melhor, a mais deslunbrante e encantadora de todas esfacelou o coraçãozinho do rapaz e ainda veio correndo para o meu lado. Continuar lendo “Kerouac Vs Monroe”

Kerouac Vs Pollock

Já era tarde da noite e Lee insistia para que continuássemos em nossa bebedeira alucinada de três dias. Eu não conseguia mais distinguir entre o que era verdade e o que não era mentira, minha cabeça estava intoxicada demais para querer conceber a realidade das coisas e por isso, meu corpo era guiado por um pavio curto de energia que não me deixava capotar. Jackson parece ter percebido a minha confusão e prometeu contar uma historinha para me fazer dormir tranquilo. Continuar lendo “Kerouac Vs Pollock”

Kerouac Vs Morrison

A nossa cabeça é completamente caótica, uma enorme pilha de contradições. Tem dia em que acordamos e achamos tudo bonito, sublime, qualquer aporrinhação é relevada com um sorriso, até mesmo os garotos chatos da rua são apenas meninos se divertindo com o gato. Todavia, existem aqueles dias em que parece que Deus pregou uma tacha descendo dentro da nossa cabeça. Os olhos ficam quentes e qualquer distúrbio à individualidade ou vontade é motivo para mandar todo mundo se danar. Até mesmo em ocasiões favoráveis ao sujeito, quem acorda assim acaba arrumando confusão. Continuar lendo “Kerouac Vs Morrison”

Kerouac Vs a Alienação

Em uma aula, há duas décadas, fui constrangido na frente de meus colegas por dois motivos: o primeiro por que era jogador de futebol e por isso, não poderia ter qualquer conteúdo próprio. Depois, por que um maldito professor insistiu para que eu definisse o que era alienação, não da maneira como eu penso que seja, mas segundo algum pensador oficial que estivesse grafado em um livro oficial. Bom, para não seguir o exemplo de meu “mestre”, deixo para que vocês dêem o próprio significado de alienação e para as pessoas que dela se nutrem. Eu só sei que nada sei.

Continuar lendo “Kerouac Vs a Alienação”

Kerouac Vs o Ocidente

Cada vez mais fico impressionado com a vida rídicula que tentam forjar para nós. Depois que a televisão invadiu a vidraça de nosso país, ninguém mais quer se encontrar nas ruas, ninguém mais quer pensar por si. Minha mãe chega em casa exausta da maldita fábrica de sapatos e gasta sua vida em mais algumas horas de TV. Eu sempre falo pra ela “Mamãe, o lixo que isso produz na nossa cabeça não compensa esse prazer barato. Eles só querem saber de controlar sua vida!”. Que nada Jean, diz repetidamente, que mal pode fazer um romance, um jogo de adivinhação ou mesmo, as notícias? Afff… ela nunca vai entender. Continuar lendo “Kerouac Vs o Ocidente”

Kerouac Vs Afrodite

E tudo acontecia ao mesmo tempo. Eu do meu lado sendo entorpecido pela vontade de liberdade e todas as outras pessoas pensando em como esquecer o momento seguinte. Entrei no quarto e um casal de Denver se entretinha debaixo do lençol. Procurava uma ferramenta necessária para o ritual de “sacrifício” – iríamos oferecer boas vibrações à Mãe Terra. A Deusa mereceria uma boa devoção com suas donzelas sendo desvirginadas pela décima vez. Tentei falar as palavras mágicas que afastam meus olhos do pecado. Elas são ditas em meu espírito, não em minha boca. O pensamento diz da mesma forma, pois só pensa em gozar em outras cenas desveladas. Ele quer que o tesão continue, mesmo sendo fora das leis. Continuar lendo “Kerouac Vs Afrodite”

Kerouac Vs Bukowski

Na América, quando você acha que é o único que está percebendo alguma coisa, se sente como se fosse um rei. As mulheres deixam de ser misteriosas, as ruas são iluminadas por cada passada que damos e qualquer fodão que aparece na sua frente se transforma num verdadeiro otário. Todavia, quando você descobre que tem um monte de maluco pensando da mesma forma, de duas uma, ou você pira de vez e se entrega ao deserto, ou então se alia a eles. Continuar lendo “Kerouac Vs Bukowski”

Kerouac Vs King Jr.

Eis que um negro forte vem andando em minha direção e parece furioso. Suas passadas são largas, ele está a mais de cem metros da mesa que eu ocupo. Vem concentrado, cabeça baixa e o tempo toda sendo jogada para um lado e para outro, grandes passadas, pisadas fortes. E vem dizendo consigo mesmo algumas palavras, frases, salmos em voz baixa e focada. Eu estou bêbado e solitário em um canto do Brooklin, um buraco freqüentado por negros e latinos, o lugar ideal para quem ainda curte a parada de verdade. A vida por aqui não é mais beatífica como antes, precisamos ficar descobrindo momentos como esse, lugares como o Moe´s ou pardieiros ainda mais obscuros, onde a luz não penetra confortavelmente – eis a busca beat, flor de lótus no lamaçal. Continuar lendo “Kerouac Vs King Jr.”

Kerouac Vs Dionísio

Sempre achei engraçado que alguns homens se considerassem Deus. Naquela maldita noite eu tinha uma garrafa de vinho barato na minha mão esquerda e os peitos deliciosos de uma negra na direita. Sentia que em minhas veias pulsava o espírito de Dionísio, o deus duplamente fecundado: uma parte no ventre de sua mãe humana, Semele e outra, nas coxas de seu pai, Zeus. – o deus do céu e da terra Continuar lendo “Kerouac Vs Dionísio”

Kerouac Vs América

Noites insólitas, noites corrosivas, noites e mais noites de perdição. Meu mau hábito de amar a madrugada levou metade da minha vida à ruína. A outra, quem pegou foi o diabo. A queda não é tão dolorosa quando a gente consegue cair de pé. O mal nem sempre pisa sobre nossa cabeça, mas nos serve um banquete antes do fim. Estou em Frisco e é o outono de 1964.  Nosso presidente havia sido assassinado há menos de um ano e muito gente andava perdendo a cabeça por pensar diferente. Continuar lendo “Kerouac Vs América”

Kerouac Vs Watts

Estávamos de mudança. Deus havia nos permitido encontrar um novo caminho para a nossa vida. Meu pai, combalido e num estágio avançado da doença, conseguiu um empréstimo com um parente e esperávamos o caminhão Ford de Ned Sander parar na frente da nossa casa. Íamos saindo de Lowell, deixando para trás cerca de mais de duzentos anos de história. Entretanto, a pobreza corrói o espírito e transforma o corpo em um lar de desespero. O homem falido deixa os hábitos e a sujeira ocupa suas feições. A barba cresce, os olhos passam a procurar o vazio, a coluna arria. Era outubro e o outono abriu meu coração, jorrando lágrimas de palavras sobre a tábua da vida. Continuar lendo “Kerouac Vs Watts”

Kerouac Vs Simone

Já estava de saco cheio daquilo tudo – família reunida, todo mundo fingindo ser feliz, parentes que não se cumprimentam, agora se olham como se nada tivesse ocorrido (na verdade, são tios que olham as pernas das sobrinhas e primos que combinam sacanagens com seus sorrisos), uma verdadeira depressão de natal. Na minha casa sempre foi diferente, somos católicos onde a maioria sempre foi protestante ou judeu. Para nós, o natal simbolizava a desgraça que nossa sociedade havia feito consigo mesma ao matar o Escolhido. Ficávamos ouvindo o Papa rezar do Vaticano e torcendo logo pela volta do Cordeiro, não aguentávamos mais esse mundo de perversões e maldades. Continuar lendo “Kerouac Vs Simone”